Skip to main content

Mais conforto

O Asilo São Vicente de Paulo – Lar Betânia, com mais de 105 anos de existência, atualmente atende 104 idosos. Apesar de centenário, se prepara para iniciar uma nova etapa de sua história para melhorar, ainda mais, o atendimento e a segurança de seus asilados assistidos.

Depois da inauguração da nova fachada da entidade, agora um novo pavilhão está sendo construído. O espaço vai permitir ao asilo receber mais 40 idosos.

O presidente do Asilo São Vicente de Paulo – Lar Betânia, Joaquim Cândido Silva, destaca a importância desta obra, que para ele é fundamental para a continuidade dos trabalhos da entidade.Ele enfatiza a importância do asilo para a cidade e Norte de Minas, já que a instituição é referência no estado, no que se refere à gestão e à qualidade de atendimento ao idoso.

“Esta obra só é possível com a ajuda de parceiros como de uma empresa de bebidas que doou todo o material de construção. A ajuda da comunidade também é de vital importância para propiciarmos ainda mais conforto para os assistidos no Lar Betânia. São 65 funcionários que cuidam de maneira zelosa e carinhosa dos idosos, que recebem todo tipo de assistência médica à alimentar”, relata o gestor financeiro e administrativo do Lar Betânia, Edmilson Magalhães.

Se os empresários locais decidiram estender a mão ao Asilo, o mesmo não acontece com o poder público, que não tem dado a contrapartida necessária em relação às demandas consideradas essenciais, para que possa haver continuidade aos trabalhos em prol dos idosos. Como exemplo, o gestor financeiro lembra que a instituição está legalizada em todos os aspectos, sendo assim, recentemente, solicitou à administração municipal isenção de tributos. No entanto, ainda não recebeu qualquer resposta neste sentido.

“Temos que atualizar a documentação da entidade, que tem 105 anos de existência. Devido a estes e outros problemas, entramos com ação pública no Ministério Público pelo fato de, por exemplo, termos que pagar exames laboratoriais e médicos especialistas. A saída tem sido recorrermos a uma rede solidária formada por algumas especialistas na área médica, pois não recebemos nenhuma ajuda por parte da administração”, frisa.

Dificuldades

De acordo com ele o poder público municipal, a atual administração mais especificamente, não tem contribuído em nada com a instituição que representa tanto para população nortemineira. Edmilson Magalhães também falou sobre as dificuldades vivenciadas por alguns funcionários e visitantes do asilo, que, há cerca de um ano, não contam mais com o lotação da linha 1702, que fazia o trajeto até a instituição. Ele lembra que este ônibus atendia os vicentinos que ajudam sobremaneira os idosos. Afirma ainda que depois da ausência da linha de ônibus, muitos deles, os idosos, não têm recebido visitas, o que tem prejudicado no aspecto emocional.

Interessados em contribuir com o asilo podem ligar para o telefone – (38) 3221-3070.

Fonte: Jornal O Norte