Skip to main content

Não violência a idosos é foco de eventos

No próximo dias 12 de junho de 8 horas ao meio dia no Plenário da Câmara Municipal será realizada uma audiência pública pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Diretoria de Programas Sociais, através da Coordenadoria do idoso, e no dia 15 de Junho de 2013, das 8:00 às 12:00 hs, na Praça Dr. Carlos, acontecerá o projeto de “Enfrentamento à Violência Contra a Pessoa Idosa ”, tema do Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção contra a Pessoa Idosa, visando a criação de uma nova cultura de não naturalização da violência, estimulando a construção de estratégias coletivas de prevenção e enfrentamento contra a violação de direitos. Estima-se que em Montes Claros existam mais de 30 mil pessoas acima dos 60 anos de idade.

2013-semana_idosos

Segundo os organizadores do evento, entre os quais está a coordenadora do idoso, Cibely Freire Diniz, a finalidade é contribuir para a conscientização da sociedade em preservar os direitos da pessoa idosa. Números apontam que vários tipos de violência contra essa parcela considerável da sociedade aumentou muito nos últimos anos. Entre os mais comuns estão os crimes de abandono e o confisco da aposentadoria para aquisição de gêneros estranhos a manutenção da qualidade de vida do beneficiado. Dezenas de casos chegam mensalmente a Coordenadoria e a promotoria do idoso em Montes Claros para que providências sejam tomadas em prol deles. “A ação também é um trabalho de auto estima”, justifica a coordenadora, ao lembrar que quem passar pela praça Doutor Carlos Versiani irá receber orientações sobre higiene bucal, prevenção de doenças, assistir a apresentações artísticas, além de realizar aferição de pressão arterial e testes de glicemia e audiometria. Cortes de cabelo e orientações sobre maquiagem também serão oferecidas na oportunidade.

Segundo a Coordenadoria, num primeiro momento, é feita uma averiguação e tenta-se resolver o problema a base do diálogo, mas caso a situação não tenha solução pela via da conversa, medidas são procedidas como o encaminhado do caso para a justiça atuar em benefício da proteção do idoso o resguardando de qualquer tipo de violência. O que mais preocupa é que boa parte dos crimes contra essas pessoas é cometido, muitas das vezes, pelos próprios familiares que deveriam zelar pela proteção e promoção do idoso e não o fazem.

Fonte: Gazeta Norte Mineira